Quem sou eu Artigos Fotos com o deputado Deu na Imprensa Notícias Fale com o Junji Fale com o Junji
   
   
   
 
E-mail:
 
 
 
 
Ameaa mortal
Sexta-feira, 22 de Outubro de 2021 Enviar por e-mail Versão para Impressão acessos
57
 
#BloqueioEuropeu No bastassem as consequncias inimaginveis da Covid-19 que colocam 28 milhes de brasileiros abaixo da linha de pobreza (+12% em relao a 2019) e retardaro em anos a recuperao da nossa catica economia, h uma notcia que dificultar muito a conquista da normalidade nacional. A Unio Europeia dever anunciar em novembro a proposta para exigir de seus importadores de carne bovina, soja, caf, cacau, madeira e leo de palma que se certifiquem de que essas commodities so provenientes de terras onde no houve desmatamento ilegal nem aes de degradao do solo depois de 1 de janeiro de 2021.

Essa medida um tiro no p do agronegcio brasileiro, apesar de a punio ser coerente com as metas de preservao. Nosso agronegcio responde por aproximadamente 30% do Produto Interno Bruto (PIB), equilibrando a cambaleante economia nacional. Na prtica, o agronegcio a galinha de ovos de ouro da Nao e sustentculo social do povo. Problema que o bloqueio pode punir indistintamente todos os produtores brasileiros.

A proposta elaborada pela Comisso Europeia, brao executivo da UE, ser encaminhada ao Conselho Europeu, que rene os lderes dos 27 pases-membros, e ao Parlamento Europeu, impulsionados pelo governo e lideranas francesas, notadamente em razo dos gigantescos desmatamentos na regio Amaznica.

Alm disso, 11 grandes companhias globais do setor de alimentos comprometeram-se em apoiar o fim do desmatamento, monitorando suas cadeias de fornecedores com medidas restritivas, em apoio integral UE. Dentre elas, esto Nestl, Danone, Barry Callebaut (chocolates), Carrefour, Jernimo Martins, Kering, Occitane, Metro, Reckitt, Sainsburys e Tesco. As empresas signatrias entendem que desmatamento, queimada e explorao ilegal de madeiras continuam em taxas alarmantes. Isso afeta no s o clima. A perda de biodiversidade gera o crescente risco de novas pandemias. Da o posicionamento de que o fim das agresses ambientais prioridade para os negcios e para o mundo.

Por mais que faltem polticas pblicas e a devida fiscalizao sobre desmatamentos e queimadas, necessrio que cada produtor rural, principalmente o de commodities, seja cada vez mais consciente e responsvel para no cometer crimes ambientais. Assim, ajuda e protege os agricultores como um todo, inclusive os mni, pequenos e mdios do setor hortifrutiflorigranjeiro.

Pela proposta, a UE aplicar rigorosa rastreabilidade sobre o que importa. Um sistema vai avaliar os pases exportadores de acordo com o nvel de risco de desmatamento, a partir do local onde as commodities so produzidas, inclusive de pases-membros do continente europeu.

Com mxima urgncia e prioridade, algo precisa ser feito pelo governo brasileiro! Caso contrrio, vamos acompanhar a morte, sem choro nem vela, do nosso precioso agronegcio. E afundar ainda mais a agonizante economia nacional, inviabilizando a sobrevivncia de 212,6 milhes de brasileiros.

At porque a China, maior compradora de carne bovina do Brasil, mantm, h 30 dias, veto entrada do produto, por causa da constatao da doena Vaca Louca em alguns frigorficos no Brasil. O fato ameaa dizimar a exportao que representa US$ 4 bilhes ou quase R$ 28 bilhes aos cofres brasileiros.

Infelizmente, o ditado de que melhor prevenir do que remediar no tem sido praticado pelas lideranas polticas e gestores pblicos, especialmente nestes ltimos anos. #AmeaaMortal

Junji Abe, produtor e lder rural, ex-prefeito de Mogi das Cruzes, na Grande So Paulo
Enviar por e-mail Versão para Impressão   Ler mais artigos
 
   



     
 
11/04/2014
Ateno aos obesos
 
08/04/2010
Imprensa amordaada, fim da democracia
 
09/07/2010
De corpo e alma
 
 
 
 
JUNJI ABE  |  NOTÍCIAS  |  ARTIGOS  |  IMPRENSA  |  GALERIA  |  Todos os direitos reservados © Junji Abe 2011  | Login


Correspondência: Av. Fausta Duarte de Araújo, nº 145 - CEP: 08730-130 - Jd. Santista - Mogi das Cruzes - SP   |   Telefone: (11) 4721-2001   |   E-mail: contato@junjiabe.com