Quem sou eu Artigos Fotos com o deputado Deu na Imprensa Notícias Fale com o Junji Fale com o Junji
   
   
   
 
E-mail:
 
 
 
 
Os três J's
Terça-feira, 27 de Dezembro de 2016 Enviar por e-mail Versão para Impressão acessos
866
 
Ele é um adolescente como muitos. Tem 15 anos, mora em Mogi das Cruzes, é inteligente, comunicativo, antenado com a tecnologia, gosta de futebol e de Carnaval. Como alguns, tem um irmão chamado Johnny. Como poucos, tem um nome incomum. Como raros, é alguém sem ascendência nipônica que ganhou um nome japonês. Como só ele, personifica uma homenagem que cala fundo na minha alma. Chama-se Junji Antunes de Almeida Lopes.

Junji é filho de Alessandra Antunes de Almeida e de João Soares Lopes. Nasceu no dia da Independência do Brasil de 2001. Era o ano de estreia da minha primeira gestão como prefeito de Mogi das Cruzes. O que muita gente não sabe sobre a história singular do adolescente é o tanto de vida pulsante na relação entre mim e seu pai. João é meu amigo-irmão, meu parceiro de jornada, companheiro de todas as horas, fiel escudeiro, meu anjo negro, como costumo dizer pelo que ele representa na minha própria história e em alusão a sua ascendência africana.

João trabalha comigo há 25 anos. Só por isso já mereceria o Nobel da Paz. Quem me conhece sabe o quanto sou exigente, minucioso, perfeccionista e tudo mais que define uma pessoa difícil de lidar. Era pior ainda ¼ de século atrás. Ele entrou na minha história em 1995 para ser motorista na equipe do meu gabinete na Assembleia Legislativa de São Paulo. Exercia o segundo mandato como deputado estadual. De cara, gostei do rapaz simples e alto astral, com sorriso largo e sempre solícito. De quebra, tinha na bagagem a experiência de haver desempenhado a mesma função para o ex-governador paulista Paulo Egydio Martins.

O que ninguém imaginava era a proximidade que se instalaria entre nós. Juntos, percorremos cerca de 500 cidades do Estado, ao longo dos seis dos dez anos em que atuei como deputado estadual. Essas viagens eram corriqueiras por conta da minha estreita relação com a agricultura. De Presidente Prudente a Votuporanga, de Ribeirão Preto a Tupi Paulista, lá íamos nós por estradas boas e ruins, sob sol ou tempestade. Dificilmente, ficávamos em hotéis. Quase sempre, éramos hospedados na casa de amigos.

Embora João seja de um profissionalismo irretocável, nossa relação nunca ficou restrita a de patrão e funcionário. Em pouco tempo, ele já havia sido acolhido como membro da minha família. É amado, indistintamente, por todos. Desde a Elza até os meus netos. João é assim. Impossível não amá-lo! Encerramos o ciclo no Legislativo paulista. Ele continuou como meu motorista na Prefeitura e ainda é. Lá, tinha a missão adicional de identificar problemas, como buracos e vazamentos de água ou esgoto. Como dirigia e não podia anotar, gravava aquilo que constatava. Os áudios eram encaminhados para providências dos setores responsáveis. Ele fazia isso não como encargo, mas com o prazer de quem ajuda o amigo a administrar melhor a Cidade.

Foi o João quem me brindou com um dos momentos mais comoventes dos meus 76 anos de vida. Já o havia parabenizado pela chegada do filho. Ele não me contou nada. Mais tarde, entrou na minha sala trazendo a certidão de nascimento. Quando vi o nome do registro, não contive as lágrimas. Até hoje não encontro palavras para agradecer ao João e à Alessandra. Só pessoas muito, muito especiais, têm a grandeza de espírito para uma homenagem tão valiosa!

Se o meu nome fosse menos incomum ou, pelo menos, não fosse nipônico, seria mais fácil. Fato é que me sinto honrado ao extremo com meu jovem xará. Ele representa um manifesto de amizade e de amor. Um dia, espero ser digno de tamanha consideração!

Escrevo essa linda história como testemunho de que os anjos existem. E eles podem estar bem mais próximos do que se imagina. Neste ano que se inicia, desejo que vocês também encontrem, reconheçam e valorizem seus anjos. São eles que nos amparam, nos protegem, nos defendem e nos guiam também nos momentos mais difíceis. São eles que nos estendem a mão quando outras se esconderam. São eles que nos acendem a luz quando todas as outras se apagaram. São eles que entoam uma canção quando o mundo se cala. São eles que dizem presente quando tudo é ausência. São eles a prova cotidiana do amor de Deus por nós. João é um dos meus anjos. Juntos, somos os três J’s: João, o pai; Junji, o filho; e Junji eu.
Junji Abe é líder rural, foi deputado federal pelo PSD-SP (fev/2011-jan/2015) e prefeito de Mogi das Cruzes (2001-2008).
Enviar por e-mail Versão para Impressão   Ler mais artigos
 
   



     
 
11/04/2014
Atenção aos obesos
 
08/04/2010
Imprensa amordaçada, fim da democracia
 
09/07/2010
De corpo e alma
 
 
 
 
JUNJI ABE  |  NOTÍCIAS  |  ARTIGOS  |  IMPRENSA  |  GALERIA  |  Todos os direitos reservados © Junji Abe 2011  | Login


Av. Fausta Duarte de Araújo, nº 145- CEP: 08730-130 - Jd. Santista- Mogi das Cruzes- SP   |   Telefone: (11) 4721-2001   |   Email: contato@junjiabe.com